sábado, 25 de fevereiro de 2012

Ne parle pas français



Feche os olhos garota
Sim, sou eterno apaixonado
Vamos passear por Paris
Aqueles passeios de mãos dadas
Tomar café observando o casal de pombos
Pode parecer meloso, e é mesmo
Mas você também tem que aprender
Aprender a fazer o bico, mas
Ne parle pas français


O tempo voa para os velhos amantes
Minha Julieta que o diga
E aqui, me transformaram em Romeu
Ah, vamos imaginar o final feliz
As coisas são mágicas aqui não acha mon amour?
Essa não é a língua dos homens
Será essa a tão falada língua dos anjos?


Dois apaixonados perdidos em Paris
Dois, je ne parle pas français


Vinícius José :D

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Olhos...



O boteco da esquina tem seu encanto
Tem seu charme, sua tequila...
Tem a tranquilidade que almejo
Tem a conversa que me agrada
O mundo inteiro está ali dentro
Bastar olhar, ou melhor, enxergar.

Veja com os olhos do poeta
Que verá o sentimento, a emoção.

Agora troque para os olhos de caleidoscópio
Com ele verá várias verdades.

Com o olhos-prisma 
pode-se ver cada coisa separadamente não é?

Para ter os olhos de Alice 
é só fechar os olhos.

Mas eu lhe peço, apenas pare de usar esses olhos
Esses olhos de espelhos, 
Esses olhos que só mostram a si mesmo.

Vinícius José


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

O tic-tac infinito


O tempo, um dos meus maiores inimigos
Ele passa, passa, passa rápido
Num tic-tac infinito que me tem sob pressão
Num espelho sem nexo, onde misteriosamente vou mudando
Mas não, não pode ser o tempo
Ontem era jovem, hoje...
Cabelos grisalhos?

Quando o tinha com fartura, 
aproveitei devagar
Passar dos anos,chegando ao fim,
arrisco,sempre em busca desesperado
Estranho
Me parece que alimenta a alma
Ao mesmo tempo que desintegra a casca
Fortalece a mente, 
enfraquece os músculos

É meu velho coelho branco,você estava certo
O eterno pode durar apenas um segundo
Mas que graça teria a vida?
Se fossemos sempre os mesmos?
O tempo, um dos meus melhores amigos?
Ele passa,passa,passa rápido
Num tic-tac infinito da experiência

Vinícius José 


sábado, 18 de fevereiro de 2012

Partiu, mas ainda permanece aqui



Teu cheiro de cigarro ainda está aqui
Os jornais, ainda embaixo da escada
Meu terno espera ser passado por ti
Me pergunto se voltarás, minha amada


Sinto falta mesmo é do teu desvelo
Tuas penas e as minhas, juntas num enlace
Nas noites, teu sussurro sereno 
Tua pele gélida clamando por calor


Não sei o motivo da partida
Mas posso lhe dizer o do regresso
Faça parde da minha vida
Eu te imploro, eu te peço


Vinícius José







terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Anna,flor singela



          Anna era garota simpática, vivia a espalhar sorrisos, sua beleza era mesmo admirável, sua pele era mais branca do que paredes de hospício, cabelos longos e negros, seus olhos eram brilhantes e mostravam toda sua simplicidade, vestidos humildes, mas encantavam a todos. Tanto ela já passara, tivera que se transformar em mulher muito cedo, talvez nunca fora menina, mas levava consigo a inocência. Seu aroma de flores era hipnotizante, roubava suspiros dos rapazes da cidade, que desejavam um mais do que o outro arrancar-lhe um beijo daqueles lábios macios, era o broto mais cortejado daquela cidade. Não pense que as outras mulheres dali eram feias não, ricas com seus vestidos de cetim, mas lhes faltava algo a mais.
Flor singela, princesa bela, um anjo de mulher.


Vinícius José

Você já parou para observar a letra dessa música?

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Podre?Sim, eu sou



Te faço vaidosa, te dou um café
Sem promessas, sem juras, sem fé
Prometo, alimento teu ego
Te faço a melhor entre todas


Só precisa lembrar de mim nas horas de prazer
Ligue-me, vou logo lhe satisfazer
Amor de novela me parece frágil
Vamos parar com esse sentimentalismo


Vamos pôr as cartas na mesa
Cada um só quer se sentir o maior
Sempre atrás do próprio gozo
Egoísta, podre,vaidoso


Vinícius José


Pierrot, Colombina ou Arlequim?


Pierrot, Colombina ou Arlequim?
Decida-se, um desses você é
Já é tempo de decidir
Ilusão,mal-me-quer, ou o trair?


O Pierrot é o iludido, afogado em sua dor
Vive sem rumo, a procura de um amor
Sempre tentando conquistar a Colombina, seu jasmim
Mas esta, logo o trocou por Arlequim


Essa Colombina não é moça má não
Ela só precisa de carinho, afago
Coitada, cansada de mal-me-quer
Jogou-se nos braços de um qualquer


Arlequim... é difícil falar sobre este
Chegou de repente,conquistou a carente
É vilão, mocinho ou demente?
Eu o vejo como o trair,chega rápido, trata  de destruir




Pierrot, Colombina ou Arlequim?
Decida-se, um desses você é
Já é tempo de opinar..
Desiludido,bem querido, ou o amar?


Vinícius José


quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

A Hora da estrela-Clarisse

"Escrevo por não ter nada a fazer no mundo: sobrei e não há lugar para mim na terra dos homens. Escrevo porque sou um desesperado e estou cansado, não suporto mais a rotina de me ser e se não fosse a sempre novidade que é escrever, eu me morreria simbolicamente todos os dias." -A HORA DA ESTRELA-Clarisse Lispector.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Amor egoísta? perfeito!


Ter um amor não é tão fácil
Tem que ser aqueles de cinema
Dramático, que alimenta a alma 
Com um pouco de atuação

Mas que alimente mesmo o ego
Que dele tiramos nossa sobrevivência
Um amor egoísta, que vá além
Cada um por si, e o amor por ninguém

O problema é que as pessoas não veem teatro
Não se dão conta de que amor melancólico torna-se chato
Dizem se preocupar um com o outro
Mentira,mentira, isso é conto de fadas

Prefiro mesmo um amor sem promessas
Um que se encontre, numa esquina dessas
Sentimental, mas sem hipocrisia
Nenhum desses que se encontra em poesia

Vinícius José :}


quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Vida de vampiros... teatro?


Acreditando que a vida é perfeita
Enfrentando tudo de peito aberto
Como se tudo estivesse certo
Como se todos fossem felizes

Acreditando que o amor ainda existe
Que hoje, ninguém é triste
Tentando achar a beleza do mundo
Sobrevivendo devagar, segundo a segundo

Acreditando na justiça
Na segurança dos inocentes
Sendo soltos os assassinos instintivos
Vendo a morte dos pobres inofensivos

Cansei dessa desilusão
Não posso admitir essa situação
Tanto amor escrito em poesia
Vocês não ligam?Tanta hipocrisia...

Vinícius José x:

Não se deixe levar pelas propagandas...

             
       À primeira vista elas são inofensivas, engraçadas ou exploram a sensualidade.O fato é que não são o que parece.
       As propagandas de bebidas alcoólicas estão sempre cheias de festas, pessoas agitadas divertindo-se e é claro, muita cerveja.Essas propagandas associam festas,jovens, à bebida,fazendo parecer que só se pode ter diversão se houver o consumo do álcool , como uma garantia.
       Para chamar a atenção dos homens(principal público) as propagandas abusam da sensualidade das mulheres expondo seus corpos e fazendo uma falsa ideia de que o produto anunciado, além de satisfazer a vontade do consumidor,também chama a atenção das mulheres.O humor é também um artifício muito utilizado, as pessoas deixam-se enganar pelas risadas e acabam sendo compradas por uma simples piada.
       A propaganda manipula, influência, com seus discursos de meias verdades.Mal sabem as pessoas que enganadas estão, pois o álcool só causa tragédias e pode levar apenas à morte.


Vinícius José :]

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Vamos lutar ou aceitar?



Vamos abaixar a cabeça
Aceitar o que nos é proposto
Vamos dizer sim a tudo
Vamos, ficar mudo?

Verbos no imperativo,obediência
Ordens, não há paciência
Regras e punições
Na lama, sonhos, corações

Quando isso vai mudar?
Está na hora, vamos revolucionar
Lutar pelo nosso direito
Merecemos, um pouco mais de respeito

Vinícius José

Ah, adorável música....



Não consigo, não dá
Minha alma, não sabe interpretar
Apenas ouço, mas não posso definir
Música, graças a ela consigo existir


Não se pode vê-la teoricamente
Não é algo entendido pela mente
Poucas pessoas podem perceber
Só o coração é capaz de entender


Vinícius José